Plantão
Caucaia

Indígenas protestam contra retirada de água do Lagamar do Cauípe, no Ceará

Publicado dia 27/10/2017 às 19h22min | Atualizado dia 27/10/2017 às 19h24min
Projeto da Cogerh tem objetivo de levar água para o Porto do Pecém. Líderes comunitários reclamam que população não tem acesso à água da região.

Um grupo de indígenas bloqueou nesta sexta-feira (27) um trecho da CE-085 em protesto contra o projeto para retirada de água do Lagamar do Cauípe, em Caucaia, na Grande Fortaleza. O manancial é uma Área de Proteção Ambiental (APA). Para a comunidade, o projeto pode gerar danos ambientais irreversíveis.

A Secretaria dos Recursos Hídricos afirma que a medida só foi adotada após estudo realizado entre os anos de 2011 e 2014 que "comprovaram a sustentabilidade da intervenção". De acordo com o levantamento, no período de quadra chuvosa, a Lagoa sangra para o mar cerca de 20 mil litros de água por segundo.

A ideia da obra é retirar apenas 200 litros por segundo enquanto a lagoa estiver vertendo, 1% da vazão despejada no mar. "Desta forma, a captação não interfere no nível da Lagoa, tampouco, representa qualquer risco ambiental", diz o órgão.

Já os líderes comunitários afirmam que o desvio de água vai impactar negativamente nas cerca de 20 mil pessoas que vivem na região e dependem do turismo e da pesca.

"As comunidades daqui são impedidas de retirar água, mas a gente sabe que esse projeto é para beneficiar a indústria do Porto do Pecém. O projeto foi feito sem consultar a população que vai ser impactada, que vai ser prejudicada e vai perder turismo e pesca", avalia Weiber Tapeba.

 

Tráfego parado

 

Os motoristas estão impedidos de atravessar o trecho devido ao bloqueio dos manifestantes, que incendiaram pneus e fizeram barreiras improvisadas na CE-085, em Caucaia.

"Estou aqui desde às 6h. O pior é que eles [manifestantes] estão cobertos de razão. Querer tirar o bem maior da comunidade num estado que já sofre muita com a seca. A gente vai esperar aqui com calma", diz o motorista Carlos Lobo.

Equipes da Polícia Rodoviária Estadual estão no local para tentar negociar com os manifestantes a saída do local. Até a manhã desta sexta, o protesto ocorre de forma pacífica, segundo policiais.

Fonte: G:1